.comment-link {margin-left:.6em;}

M U I T O G R O S S O

*MUITOGROSSOpoucofinoANTITUDOcontranada* Um blogue de criticas existenciais e existêncialistas..., e outras coisas mais, que podem cheirar muito mal, e saber bem pior!

ANGOTERRA
online <

28 fevereiro 2006

PARALELAMENTE

Produced By PECUS MALTHUS "trade mark" Copyrights (apenas é permitida reprodução para fins ludico-educacionais)

23 fevereiro 2006

DIA DO PATRIOTA



cerebral palsy attorneys
cerebral palsy attorneys

REPÚBLICA DE ANGOLA
UNIÃO NACIONAL PARA A INDEPENDÊNCIA TOTAL DE ANGOLA
U N I T A
COMUNICADO

A UNITA recorda e homenageia hoje o seu líder Fundador, Jonas Malheiro Savimbi, um filho desta terra-mãe que soube responder ao chamamento da Pátria, lutando para a sua total libertação.
Jonas Malheiro Savimbi foi um ilustre obreiro pela conquista da liberdade, do pluralismo e da democracia para Angola. A vida e obra de Jonas Savimbi marcaram inconfundivelmente a História de Angola e do continente Africano.
Os angolanos e em especial a juventude encontram hoje no seu pensamento, na sua coragem e nos seus ensinamentos uma fonte de inspiração para a construção de uma Angola desenvolvida, verdadeiramente democrática, livre do medo da pobreza e da corrupção.
Volvidos 4 anos do passamento físico do Presidente Fundador da UNITA, o Saudoso Dr. Jonas Malheiro Savimbi, a Direcção do Partido, em nome dos simpatizantes, membros e militantes rende homenagem à sua memória heróica, renovando o compromisso solene de continuar os ideais pelos quais sacrificou a sua vida, no altar da Pátria.
Assim o 22 de Fevereiro foi consagrado para UNITA, o “DIA DO PATRIOTA”
A Direcção da UNITA reafirma o seu engajamento na consolidação da paz, da reconciliação nacional e do aprofundamento da democracia.
“Os que morrem vivem para sempre se a sua causa é de toda a gente”.
Honra e glória aos heróis da pátria.
Unidos venceremos.

LUANDA, 22 de Fevereiro de 2006
A DIRECÇÃO DA UNITA

Produced By PECUS MALTHUS "trade mark" Copyrights (apenas é permitida reprodução para fins ludico-educacionais)

21 fevereiro 2006

União Desportiva e Cultural de Argivai


cerebral palsy attorneys
cerebral palsy attorneys

novo Blog em Argivai/povoa de Varzim .

www.argivai.blogspot.com

novo site da União Desportiva e Cultural de Argivai

http://www.argivaiteam.no.sapo.pt/

UDCA

http://rangerspaintballteam.blog.pt/

Produced By PECUS MALTHUS "trade mark" Copyrights (apenas é permitida reprodução para fins ludico-educacionais)

17 fevereiro 2006

FP - 25 ...LIbertar ou Morrer?

GASPAR CASTELO-BRANCO...


"Gaspar Castelo-Branco – foi decidido esquecê-lo
Com este título, o hoje moribundo jornal “O Semanário”, nomeava GasparCastelo-Branco como a figura nacional do ano de 1986.Era Director-Geral dos Serviços Prisionais quando, a 15 de Fevereiro de1986, véspera da segunda volta das eleições presidenciais, foi assassinadopelas FP-25 Abril com dois tiros na nuca. Foi o mais alto cargo dirigentedo Estado a ser vítima de um brutal e cobarde ataque no pleno exercício dassuas funções.Nessa altura, os terroristas das FP-25A, por excesso de tolerância edecisão política, estavam em regime de cela aberta e misturados com presosde delito comum. Após a fuga de um grupo dos mais perigosos terroristas daPenitenciária de Lisboa, em Setembro de 1985, impôs medidas e condiçõesduras de isolamento e separação entre reclusos. Estas eram contestadaspelos terroristas com uma pretensa “greve da fome”. Não cedeu. “Em paísesocidentais os governos não cedem às greves da fome e pouca importância lhesdão” dizia. Mas por cá, era constantemente pressionado pela ComissãoParlamentar de Direitos Liberdades e Garantias, em particular por algunsdeputados socialistas, bem como alguns movimentos cívicos de duvidosaparcialidade, mas que obtinham ainda assim algum eco na imprensa.Perante as críticas da comunicação social e dos ditos movimentos, oMinistro da tutela, Mário Raposo, declinava responsabilidadesencaminhando-as para o seu director-geral, como se a orientação deste nãofosse tomada de acordo com o próprio Ministro. O culpado seria oDirector-Geral. Perante a demissão dos seus superiores hierárquicos e osilêncio imposto pelo governo, Gaspar Castelo-Branco assumiu asresponsabilidades, que verdadeiramente não lhe cabiam, em circunstânciasparticularmente difíceis. Só isso fazia sentido: por personalidade era umhomem corajoso e frontal com um enorme sentido do dever e do bem público.Tornou-se o bode expiatório e pagou-o com a vida.O Governo acobardou-se e quinze dias após o seu brutal assassinato, ospresos retomaram a cela aberta durante o dia, apenas fechada durante anoite. Conforme escreveu na altura José Miguel Júdice, parecia que afinal oassassinato teve uma justificação e uma razão de ser.A partir desse dia, o País apercebeu-se que o terrorismo era uma ameaçareal. Nos dias seguintes, Cavaco Silva, então primeiro-ministro, mudou-secom a família para a residência oficial em São Bento. Todos os ministros,sem excepção, passaram a andar com guarda-costas e escoltados por váriosseguranças pessoais. Os juízes e procuradores do processo FP-25A passaram aser guardados dia e noite, pernoitando, às vezes, em locais alternados esempre secretos.Apesar disso o Presidente da República em exercício Ramalho Eanes ou o recém-eleito Mário Soares não estiveram presentes no enterro tal como faltou o primeiro-ministro Cavaco Silva. Não houve um gesto visível deapoio público à vítima pelos seus superiores hierárquicos e membros dosórgãos de soberania. Curiosamente, nesse mesmo mês, na vizinha Espanha, umagente da Guardia Civil era assassinado pela ETA. O seu funeral teve honrasde estado e contou com a presença de Felipe Gonzalez e Juan Carlos.“Se me derem um tiro, como reagirão os defensores dos direitos humanos, os mesmos que pretendem condições mais brandas para os terroristas?” -afirmava numa entrevista a um jornal 15 dias antes de morrer. A verdade, éque a sua profecia se realizou e não houve um único acto de repúdio públicoaos ditos movimentos.Em Outubro do mesmo ano começava o julgamento da organização. O maiorfracasso do Estado de Direito do Portugal democrático. Não conseguiucondenar quem contra ele atentou.Mário Soares, com uma visão muito própria sobre a justiça, preferiuprimeiro indultar e depois amnistiar as FP-25A com total passividade dogoverno PSD. Preferiu cumprimentar Otelo Saraiva de Carvalho após a suasaída da prisão e recusou uma legítima condecoração, proposta pelo governo,para o mais alto funcionário do Estado a cair no cumprimento do seu deverno Portugal democrático. Para ele, as vitimas e as suas famílias eram umpormenor desagradável num processo que queria resolver politicamente.O tempo pode atenuar a dor de um filho, mas não apaga a vergonha que o Paíssente por não ter sido feita justiça: os assassinos não cumpriram a pena,apesar de julgados e condenados em tribunal, e as vítimas foram esquecidas.[Manuel Castelo-Branco]"

http://oacidental.blogspot.com/2006/02/gaspar-castelo-branco-foi-decidido.html

Produced By PECUS MALTHUS "trade mark" Copyrights (apenas é permitida reprodução para fins ludico-educacionais)

14 fevereiro 2006

ERA UMA VEZ ANGOLA




http://www.eraumavezangola.com/

Produced By PECUS MALTHUS "trade mark" Copyrights (apenas é permitida reprodução para fins ludico-educacionais)

13 fevereiro 2006

Da outra banda ? Criatividade ou bandalhos?

cerebral palsy attorneys
cerebral palsy attorneys

Produced By PECUS MALTHUS "trade mark" Copyrights (apenas é permitida reprodução para fins ludico-educacionais)

01 fevereiro 2006

Poema cavalar com águia

cerebral palsy attorneys
cerebral palsy attorneys

O meu cavalo voa

por cima da eternidade

não sem que vagando à toa

deslize toda a saudade

Tejo, esgoto da urbe

derrotas os vis santanas

sem aguias e sem cabanas

entreguas tudo ao leo ogre...

oh, triste desilusão

marcas de lua sem sol

tristeza até mais não

dragão sem penas em formol...

Produced By PECUS MALTHUS "trade mark" Copyrights (apenas é permitida reprodução para fins ludico-educacionais)
online